Curriculum Vitae

Ana Bárbara Vicente Nazaré

Data da última atualização »Last update : 14/02/2019


Ana Bárbara Vicente Nazaré. É Professor Auxiliar na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Publicou 20 artigos em revistas especializadas e 8 trabalhos em actas de eventos, possui 3 capítulos de livros publicados. Possui 73 itens de produção técnica. Recebeu 5 prémios e/ou homenagens. Nas suas actividades profissionais interagiu com 27 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos.


Endereço de acesso a este CV:

http://www.degois.pt/visualizador/curriculum.jsp?key=1420730050550251


Dados pessoais (Personal data)
Nome completo
Full name
Ana Bárbara Vicente Nazaré
Nome em citações bibliográficas
Quoting name
Nazaré, Bárbara
Categoria profissional
Position
Professor Auxiliar
Endereço profissional
Professional address
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Escola de Psicologia e Ciências da Vida
Campo Grande, 376
Lisboa
1749-024 Lisboa
Portugal
Correio electrónico: abarbaravn@gmail.com
Sexo
Gender
Feminino»Female




Graus Académicos (Academic Degrees)
2008-2013 Doutoramento
Phd
Doutoramento em Psicologia da Saúde (4 anos » years) .
Universidade de Coimbra, Portugal.

2002-2007 Mestrado
Master degree
Mestrado Integrado em Psicologia Clínica e Saúde (5 anos » years) .
Universidade de Coimbra, Portugal.





Formação complementar ( studies)
2014-2014 Outros
Others
New developments in mediation and moderation.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2013-2013 Curso de curta duração
Short course
Metodologias qualitativas na investigação em Psicologia.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2013-2013 Curso de curta duração
Short course
Estrutura de um sítio para Internet.
Centro de Formação Profissional do Artesanato, Portugal.

2013-2013 Curso de curta duração
Short course
Finalização de um sítio para Internet.
Centro de Formação Profissional do Artesanato, Portugal.

2013-2013 Outros
Others
Cognitive behaviour therapy for chronic illness.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2012-2012 Curso de curta duração
Short course
Comunicação em literacia e saúde: Potenciar o empowerment do cidadão.
ISPA - Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, Portugal.

2012-2012 Outros
Others
Introdução ao coaching.
Ordem dos Psicólogos Portugueses, Portugal.

2012-2012 Outros
Others
To research and publish: Guidelines for international diversity.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2012-2012 Outros
Others
Intervenção psicológica em crise e emergência: Entre risco e oportunidade.
Ordem dos Psicólogos Portugueses, Portugal.

2012-2012 Outros
Others
Learning from loss: Strategies for grief therapy.
Universidade de Aveiro, Portugal.

2012-2012 Outros
Others
Death at school: Psychosocial interventions in traumatic or disaster situat.
Universidade de Aveiro, Portugal.

2011-2011 Curso de curta duração
Short course
Curso avançado em análise de dados com SPSS.
Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, Portugal.

2011-2011 Curso de curta duração
Short course
Curso avançado em análise de dados com SPSS: Análise multivariada.
Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, Portugal.

2011-2011 Curso de curta duração
Short course
Modelos de equações estruturais: A problem-solving approach.
Universidade de Lisboa, Portugal.

2011-2011 Outros
Others
Introdução à terapia sexual.
Psikontacto, Portugal.

2011-2011 Outros
Others
Adult resilience training for health psychology in individual contexts.
European Health Psychology Society, Grécia.

2010-2010 Curso de curta duração
Short course
SPSS: Análise estatística.
Instituto de Alcoologia Formação, Investigação e Prevenção em Alcoologia, Portugal.

2010-2010 Curso de curta duração
Short course
Formação pedagógica inicial de formadores.
Fundação para a Divulgação das Tecnologias de Informação, Portugal.

2010-2010 Outros
Others
Noções básicas de psicofarmacologia.
Psikontacto, Portugal.

2009-2009 Outros
Others
Articulation between research and publishing in international journals.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2009-2009 Outros
Others
Write and publish in international journals.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2009-2009 Outros
Others
To research and publish: Guidelines for international diversity.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2009-2009 Outros
Others
Cognitive-behavioral systems approach in couple and sex therapy.
European Association for Behavioural and Cognitive Therapies, Croácia.

2009-2009 Outros
Others
Affect phobia: How exposure and desensitization of feelings promote change.
European Association for Behavioural and Cognitive Therapies, Croácia.

2009-2009 Outros
Others
Comprehensive cognitive-behavior therapy with couples and families.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2009-2009 Outros
Others
Assessing quality of life in children and adolescents.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2008-2008 Outros
Others
Death, loss, and the quest for meaning.
ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, Portugal.

2008-2008 Outros
Others
Emotion-focused therapy: The transforming power of affect.
European Association for Behavioural and Cognitive Therapies, Finlândia.

2008-2008 Outros
Others
Schema therapy in couples.
Universidade de Coimbra, Portugal.

2007-2007 Curso de curta duração
Short course
Procedimento da Situação Estranha para avaliação da vinculação .
Universidade de Coimbra, Portugal.

2007-2007 Outros
Others
Perinatal emotional disturbance.
Hospital Psiquiátrico do Lorvão, Portugal.

2006-2006 Outros
Others
Understanding babies so we can support parents.
Hospitais da Universidade de Coimbra, Portugal.





Vínculos profissionais (Professional Positions)
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Mar/2015-Actual Professor Auxiliar

Universidade de Coimbra
Dez/2012-Jul/2014 Outra Situação
Dez/2008-Nov/2012 Outra Situação
Jan/2007-Nov/2008 Outra Situação

Hospitais da Universidade de Coimbra
Jan/2008-Set/2012 Outra Situação





Atividades de Investigação e Desenvolvimento (Research and Development activities)
Universidade de Coimbra
Set/2008-Actual
Linhas de investigação»Research fields:


Relações, Desenvolvimento & Saúde






Atividades de Ensino (Teaching activities)
Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
Set/2017-Actual
Curso»Academic program: Licenciatura em Psicologia

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Psicologia Geral(Regente)


Set/2017-Actual
Curso»Academic program: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Métodos de Investigação em Psicologia Clínica e da Saúde I (Regente)


Fev/2017-Set/2017
Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Psicologia da Saúde (Regente)


Fev/2017-Set/2017
Curso»Academic program: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Métodos de Investigação em Psicologia Clínica e da Saúde II(Docente)


Fev/2017-Set/2017
Curso»Academic program: Licenciatura em Psicologia

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Laboratório de Competências Académicas(Regente)


Out/2016-Fev/2017
Curso»Academic program: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Métodos de Investigação em Psicologia Clínica e da Saúde I (Regente)


Set/2016-Fev/2017
Curso»Academic program: Licenciatura em Psicologia

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Psicologia Geral(Regente)


Mar/2016-Set/2016
Curso»Academic program: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Psicologia da Saúde(Regente)


Fev/2016-Set/2016
Curso»Academic program: Licenciatura em Psicologia

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Laboratório de Competências Académicas(Regente)


Out/2015-Jan/2016
Curso»Academic program: Licenciatura em Psicologia

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Psicologia Geral(Regente)


Out/2015-Jan/2016
Curso»Academic program: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Métodos de Investigação em Psicologia Clínica e da Saúde(Regente)


Mar/2015-Set/2015
Curso»Academic program: Licenciatura em Psicologia

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Psicologia da Aprendizagem(Docente)


Mar/2015-Set/2015
Curso»Academic program: Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde

Disciplinas lecionadas»Taught units:

  • Psicologia da Saúde(Regente)






Estágios realizados (Traineeships)


Hospitais da Universidade de Coimbra
Set/2006-Jul/2007






Atividades de Serviços técnicos especializados (Specialized technical services activities)


Hospitais da Universidade de Coimbra
Set/2007-Set/2012






Atividades de Formação Profissional (Professional education activities)


Universidade de Coimbra
Fev/2010-Mar / 2010
Formação profissional»Professional education:

   -  Psicologia da saúde: II. Determinantes do comportamento rodoviário e III. Modelos compreensivos






Linhas de Investigação (Research fields)
1. Relações, Desenvolvimento & Saúde

Domínio Científico: Ciências Sociais / Área Científica: Psicologia.




Projetos de Investigação (Research projects)
Participação como Investigador
Participation as Researcher
2008-2009
Gravidez e maternidade em jovens adolescentes na Região Autónoma dos Açores
Referência do projeto»Project reference: 00.

2008-2009
Adaptação individual e familiar à Paralisia Cerebral ao longo do ciclo de vida
Referência do projeto»Project reference: 00.

2007-2009
Transição para a parentalidade em famílias que recorreram a tecnologias de reprodução medicamente assistida: Adaptação individual, relação conjugal e relação parental
Referência do projeto»Project reference: 00.

2007-2008
Gravidez e maternidade: Um estudo longitudinal sobre mulheres infectadas pelo VIH
Referência do projeto»Project reference: 00.

2007-2008
Adaptações psicológicas à gravidez e ao nascimento de um filho: Percursos e contextos de influência
Referência do projeto»Project reference: 00.


Participação como Doutorando
Participation as Phd student
2008-2013
Decisões reprodutivas e transição para a parentalidade após o diagnóstico de anomalia congénita no bebé durante a gravidez ou após o nascimento: Adaptação individual, conjugal e relações pais-filhos
Referência do projeto»Project reference: 00.






Línguas (Languages)
Compreende
Understandig
Português (Bem), Inglês (Bem), Francês (Razoavelmente).
Fala
Speaking
Português (Bem), Inglês (Bem), Francês (Razoavelmente).

Reading
Português (Bem), Inglês (Bem), Francês (Razoavelmente).
Escreve
Writing
Português (Bem), Inglês (Bem), Francês (Razoavelmente).




Prémios e títulos (Awards Prizes, and Honours)
2008 Prémio anual de mérito, no âmbito dos Fundos de Apoio ao Estudante, Universidade de Coimbra.
2010 Prémio Investigador de Mérito, Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde.
2011 SRIP Conference Bursary for Students, Society for Infant and Reproductive Psychology.
2012 Prémio Investigador de Mérito, Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde.
2017 Prémio de Segundo Melhor Póster, Comissão Científica das Jornadas de Psicologia Clínica do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa.




Membro de Associações Profissionais/Científicas (Professional/Scientific Association membership)
Abr/2010 - Actual Ordem dos Psicólogos, Membro.




Produção científica, técnica e artística/cultural (Scientific, technical and artistical/cultural production)
Capítulos de livros publicados
Published book chapters
1. Canavarro, Maria C; Nazaré, Bárbara; Pereira, Marco. 2017. Inventário de Sintomas Psicopatológicos (BSI-18).  In Psicologia clínica e da saúde: Instrumentos de avaliação , 115 - 129. . Lisboa: PACTOR.
2. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2012. Sintomatologia clinicamente significativa após uma interrupção médica da gravidez: Quem manifesta reações intensas de trauma e luto? .  In Psicologia da saúde: Desafios à promoção da saúde em doenças crónicas , ed. José Luís Pais Ribeiro, Isabel Leal, Anabela Pereira, & Sara Monteiro , 209 - 215. . Lisboa: Placebo Editora.
3. Pedrosa, Anabela A; Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C; Pereira, Marco; Pires, Raquel. 2010. Gravidez e maternidade na adolescência: Percursos (d)e adaptação de jovens da Região Autónoma dos Açores.  In Psicologia da saúde: Sexualidade, género e saúde, ed. Isabel Leal & José Luís Pais Ribeiro, 53 - 62. . Lisboa: ISPA.

Artigos em revistas com arbitragem científica
Papers in periodics with scientific refereeing
1. Nazaré, Bárbara; Pereira, Marco; Canavarro, Maria C. 2017. "Avaliação breve da psicossintomatologia: Análise fatorial confirmatória da versão portuguesa do Brief Symptom Inventory 18 (BSI 18)", Análise Psicológica 35, 2: 213 - 230.
2. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2016. "Medical information concerning an infant's congenital anomaly: Successful communication to support parental adjustment and transition", Disability and Health Journal 9, 1: 150 - 156.
3. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2015. "Parenting an infant with a congenital anomaly: How are perceived burden and perceived personal benefits related to parenting stress?", Journal of Clinical Psychology in Medical Settings, 22: 64 - 76.
4. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2014. "Trauma following termination of pregnancy for fetal abnormality: Is this the path from guilt to grief?", Journal of Loss and Trauma 19, 03: 244 - 261.
Termination of pregnancy for fetal abnormality (TOPFA) is a potentially traumatic event that may lead to intense grief symptomatology. The present study included 41 couples who were assessed 1-6 months after TOPFA. No gender differences were found regarding the intensity of trauma symptomatology or the prevalence of clinically relevant trauma symptomatology, present in about a third of the sample. Most couples were congruent regarding trauma symptomatology. Women experienced guilt with significantly more frequency than men. For both genders, guilt influenced both trauma and grief symptomatology. For women only, guilt influenced grief symptomatology indirectly, through trauma symptomatology. Clinical implications are discussed.

5. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2014. "Parenting an infant with a congenital anomaly: An exploratory study on patterns of adjustment from diagnosis to 6 months post birth", Journal of Child Health Care, 18: 111 - 122.
The present study examined psychological adjustment in parents of infants with congenital anomalies (CAs), focusing on the interval from the disclosure of the diagnosis to six months after the infant’s birth and considering the effects of the parent’s gender and the timing of diagnosis (pre- vs postnatal). Within-group diversity was also examined by identifying distinct patterns of individual adjustment over time. Parents of 43 infants (43 mothers and 36 fathers) with a pre- or postnatal diagnosis of a CA answered questionnaires assessing psychological distress and quality of life one month after the disclosure of the diagnosis and six months after the infant’s birth. Results showed a significant reduction in psychological distress and a significant increase in physical quality of life over time, for both parents, regardless of the timing of diagnosis. In all, 57% of parents presented a pattern of recovery from diagnosis to six months post birth and 26.6% presented a pattern of resilience. However, 15.2% of parents showed chronic adjustment difficulties. Findings suggest that most parents tend to adjust to their infant’s CA, although some experienced difficulties and should be targeted for specialised counselling. Both members of the couple should be acknowledged, as both experience similar patterns of adjustment.

6. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2013. "Validação da Escala de Representações Mentais de Prestação de Cuidados para a população portuguesa: Um estudo numa amostra de pais de bebés de um mês de idade", Revista Iberoamericana de Diagnóstico e Avaliação Psicológica 35, 1: 161 - 182.
7. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2013. "Parental psychological distress and confidence after an infant’s birth: The role of attachment representations in parents of infants with congenital anomalies and parents of healthy infants", Journal of Clinical Psychology in Medical Settings 20, 2: 143 - 155.
The present study aimed to examine parental psychological distress and confidence after an infant’s birth, when parenting an infant with a diagnosis of a congenital anomaly, and to understand the role of attachment representations on parental adjustment. Parents of infants with a congenital anomaly (44 couples) and parents of healthy infants (46 couples) completed measures of adult attachment representations and of psychological distress and parental confidence (one month after the infant’s birth). Results showed no group differences in psychological distress. Mothers in the clinical group presented lower confidence than mothers in the comparison group, while for fathers the inverse pattern was found, showing their involvement in the caretaking of the infant. Insecure attachment representations predicted parental psychological distress, and a moderator role of group was found only for fathers. These results highlight the role of secure attachment representations as an individual resource in stress-inducing situations. .

8. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2013. "Questionário de Confiança Parental: Análise fatorial confirmatória numa amostra comunitária de casais", Psicologia, Saúde & Doenças 14, 1: 23 - 37.
A falta de confiança parental na competência para cuidar do bebé pode originar dificuldades na relação entre mãe/pai e filho. O Questionário de Confiança Parental avalia a perceção parental da capacidade para cuidar do bebé e reconhecer as suas necessidades, através de 13 itens, respondidos com base numa escala de frequência. Este estudo pretendeu identificar a estrutura fatorial mais adequada para o questionário. Uma amostra comunitária de 223 casais com bebés de 6 meses respondeu ao protocolo de avaliação. As análises fatoriais confirmatórias revelaram como mais adequado um modelo trifatorial: Conhecimento acerca do Bebé, Prestação de Cuidados ao Bebé e Avaliação da Experiência de Parentalidade. A versão portuguesa do Questionário de Confiança Parental apresentou bons níveis de fidelidade e validade, pelo que constitui um instrumento útil na avaliação de mães e pais de bebés nos primeiros meses de vida, possibilitando a sinalização de situações de risco acrescido nestas díades.

9. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2013. "Clinical determinants of parents’ emotional reactions to the disclosure of a diagnosis of congenital anomaly", Journal of Obstetric, Gynecologic, & Neonatal Nursing 42, 2: 178 - 190.
Objective: To examine parents’ emotional reactions (high intensity vs. low intensity) and the intensity of each emotion when a prenatal or postnatal diagnosis of a congenital anomaly is disclosed Design: Cross-sectional study. Setting: Two urban Portuguese hospitals. Participants: The parents (60 mothers and 50 fathers) of 60 infants prenatally or postnatally diagnosed with a congenital anomaly. Methods: One month after the disclosure of the diagnosis, the parents answered questionnaires regarding sociodemographic and clinical variables and their emotional experiences at the disclosure. Results: Gender differences in the parents’ emotional reactions were not found, and intracouple congruence was frequent. When there was uncertainty regarding the diagnosis, no prior knowledge about the diagnosis (for fathers only), and no history of pregnancy loss (for mothers only), parents presented significantly more frequently with a pattern of high-intensity negative emotional reactions to the disclosure. Type of congenital anomaly, timing of diagnosis, and parity were not found to be significantly associated with the patterns of emotional reactions, but differences in the intensity of specific emotions were found for all variables. Conclusion: Both parents’ emotional experiences should be acknowledged at the disclosure. Clinical variables were found to define the stressful situation (the diagnosis). When the diagnosis was perceived as more threatening (i.e., more unexpected, less controllable, and predictable), parents presented a pattern of high-intensity emotional reactions.

10. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2013. "The role of satisfaction with social support in perceived burden and stress of parents of six-month-old infants with a congenital anomaly: Actor and partner effects", Journal of Child Health Care, 18: 178 - 191.
11. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2013. "Adaptive and maladaptive grief responses following TOPFA: Actor and partner effects of coping strategies", Journal of Reproductive and Infant Psychology, 000: 000 - 000.
Objective: This study aimed to 1) compare women and men regarding absolute and relative coping following a termination of pregnancy for fetal abnormality and 2) assess the influence of relative coping on each partner’s adaptive and maladaptive grief responses. Background: Although differences in coping have been cited to explain gender differences on grief symptomatology after a spontaneous pregnancy loss, no study yet has compared women and men regarding use of coping strategies after termination of pregnancy for fetal abnormality. Furthermore, considering the relatively high prevalence of clinically relevant grief symptomatology among women following this event, both one’s and the partner’s coping responses should be explored as predictors. Methods: 41 couples answered the Perinatal Grief Scale and the Brief COPE, one to six months after termination of pregnancy for fetal abnormality. Results: Women used Religion more frequently than men. Women’s absolute and relative scores on Emotional Support, Instrumental Support, and Venting were higher than men’s. Men presented higher scores on relative use of Acceptance, Humour, and Denial. Acceptance positively predicted adaptive grief responses. Self-Blame, Denial, Active Coping, and Instrumental Support were positive predictors of maladaptive grief responses. Humour was negatively associated with both types of grief responses. Partner effects were found for Self-Blame and Active Coping. Conclusion: As gender differences regarding coping are normative, psychoeducation may be used to foster intracouple acceptance. Due to their interdependence, both partners’ should be assessed. Coping strategies (i.e. self-blame) associated with maladaptive responses should be prevented, while fostering the use of helpful strategies (i.e. acceptance). Keywords: Actor-Partner Interdependence Model; adaptive and maladaptive grief responses; couple; relative coping; termination of pregnancy for fetal abnormality.

12. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2012. "Grief following termination of pregnancy for fetal abnormality: Does marital intimacy foster short-term couple congruence?", Journal of Reproductive and Infant Psychology 30, 2: 168 - 179.
Objective: This study aimed to (1) compare women and men in congruent and incongruent couples regarding the intensity of grief responses and the prevalence of clinically relevant grief responses following a termination of pregnancy for fetal abnormality; and (2) assess the role of marital intimacy in fostering couple congruence on grief responses. Background: In spite of the detrimental effects of incongruent grief on the marital relationship, previous studies have seldom compared congruent and incongruent couples. Furthermore, little is known regarding the predictors of incongruent grief. Studying such topics will allow for the implementation of effective clinical interventions aiming at decreasing the negative consequences of incongruent grief. Methods: Thirty-one couples answered the Perinatal Grief Scale and the Personal Assessment of Intimate Relationships, 1–6 months after a termination of pregnancy for fetal abnormality. Results: The majority of couples were found to display congruent grief reactions. Women had significantly more intense grief reactions than men in both groups. Women’s scores were significantly higher in incongruent couples than in congruent couples, while no such difference was found for men. Clinically relevant grief symptoms were particularly prevalent in women in incongruent couples. Women’s perception of marital intimacy, but not men’s, positively predicted couple congruence. Conclusion: Given the normativity of gender differences regarding grief responses, clinicians should foster couple communication and acceptance. As couple incongruence may signal difficulties adapting to the loss, psychological assessment is warranted. Marital intimacy is a resource for women which should be fostered in clinical interventions.

13. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2012. "Avaliação da ligação parental ao bebé após o nascimento: Análise fatorial confirmatória da versão portuguesa do Postpartum Bonding Questionnaire (PBQ)", Laboratório de Psicologia 10, 1: 81 - 95.
A existência de perturbações na relação mãe/pai-bebé pode ter implicações prejudiciais para ambos os membros da díade. O Postpartum Bonding Questionnaire (PBQ, designado por nós como Questionário de Ligação ao Bebé após o Nascimento) foi desenvolvido com o objetivo de avaliar a existência de perturbações na relação que mães e pais estabelecem com o seu bebé. No entanto, entre os diversos estudos já realizados com este instrumento, verificam-se resultados inconsistentes relativamente à sua estrutura fatorial. No presente trabalho, conduzimos os estudos psicométricos da versão portuguesa do PBQ, um instrumento de autorresposta composto por 25 itens e com uma escala de resposta de seis pontos (de 0 – Nunca e 5 – Sempre). Uma amostra comunitária de 229 casais, cujos bebés tinham aproximadamente 6 meses, respondeu a uma bateria de questionários. A realização de análises fatoriais confirmatórias permitiu comparar seis modelos definidos com base nos estudos já realizados com este instrumento. Foi identificada como mais adequada aos nossos dados uma estrutura de um só fator, que difere da versão original do instrumento. A versão final do PBQ é constituída por 12 itens, tendo sido necessário alterar a tradução de um deles, de maneira a favorecer a sua compreensibilidade. O questionário apresentou bons índices de consistência interna e temporal, bem como valores adequados de validade convergente e discriminante. Verificou-se que os homens tendem a apresentar pontuações significativamente superiores no questionário. O PBQ constitui um instrumento de avaliação fiável e válido, passível de ser utilizado em contexto clínico e de investigação.

14. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2012. "Avaliação das preocupações sentidas durante a gravidez: Estudos psicométricos da versão portuguesa da Cambridge Worry Scale (CWS)", Laboratório de Psicologia 10, 1: 47 - 61.
A gravidez é uma etapa à qual se associam preocupações específicas, relacionadas com o curso da gestação e com o estado de saúde do bebé. A Cambridge Worry Scale (CWS) foi desenvolvida com o objetivo de avaliar o conteúdo e a intensidade destas preocupações, concetualizadas como normativas. No presente trabalho, conduzimos os estudos psicométricos da versão portuguesa da CWS, composta por 16 itens e com uma escala de resposta de 5 pontos (de 0 – Não é uma preocupação e 5 – É uma grande preocupação). Uma amostra de 430 grávidas, maioritariamente na primeira metade da gestação, respondeu a uma bateria de questionários. Da análise de componentes principais resultou uma estrutura de quatro fatores: Área Socioeconómica e Saúde (esfera financeira, profissional e habitacional; saúde da grávida e de outras pessoas significativas), Perda Reprodutiva (possibilidade de aborto espontâneo ou de um diagnóstico de anomalia fetal), Gravidez Atual (preocupações com a dimensão médica da gravidez - exames, parto – e com as mudanças posteriores ao nascimento do bebé - interação com o bebé, vida profissional) e Relações (com o companheiro e com familiares e amigos próximos). Embora seja diferente da versão original da escala, a análise fatorial confirmatória revelou que este modelo é adequado aos dados. Verificou-se que as mulheres primíparas tendem a manifestar preocupações mais intensas nos fatores Perda Reprodutiva e Gravidez Atual, bem como na escala total. A CWS constitui um instrumento de avaliação fiável e válido, passível de ser utilizado em contexto clínico e de investigação.

15. Gameiro, Sofia; Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Moura-Ramos, Mariana; Canavarro, Maria C. 2011. "Changes in marital congruence and quality of life across the transition to parenthood in couples who conceived spontaneously or with assisted reproductive technologies", Fertility and Sterility 96, 6: 1457 - 1462.
Objective To investigate the relationship between changes in marital congruence (ie, level of agreement between partners about their relationship) and quality of life across the transition to parenthood in couples who conceived spontaneously and with assisted reproduction technology (ART). Design Prospective longitudinal cohort design using multilevel modeling. Setting Portuguese large public university–based hospital. Patient(s) Pregnant couples who conceived spontaneously and with ART. Intervention(s) None. Main Outcome Measure(s) ENRICH Marital Inventory and the World Health Organization Brief Quality of Life Instrument. Result(s) For all couples, an increase in satisfaction with the marital relationship was associated with increases in all quality of life domains. For couples who conceived with ART only, a decrease from pregnancy to the postpartum period in congruence about the existence of conflicts in their relationship was associated with a decrease in psychologic quality of life. Conclusion(s) Couples who conceive with ART are usually satisfied with their marital relationship, but they may still disagree in their perceptions of this relationship, which may negatively impact their well-being. These results reinforce the role of couple-based interventions to prevent intracouple disagreement across the transition to parenthood, especially when conception is achieved with ART.

16. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2011. "Patterns of parental emotional reactions after a pre- or postnatal diagnosis of a congenital anomaly", Journal of Reproductive and Infant Psychology 29, 4: 320 - 333.
Objective: This study aimed to describe parental reactions at disclosure of a diagnosis of congenital anomaly and to investigate both the existence of distinct patterns of intensity of reactions and their association with post-diagnosis psychosymptomatology. Background: When receiving the news of a pre- or postnatal diagnosis of congenital anomaly, parents usually display acute grief reactions. However, questions arise regarding the variability and intensity of those reactions and their clinical significance. Method: Fifty-one women and 42 men whose infants were diagnosed with a congenital anomaly completed, one month after the disclosure, the Brief Symptom Inventory-18 and retrospectively evaluated their emotional experience at disclosure. Results: Negative emotions, and also hope, were experienced with greater intensity at disclosure. There was variability of emotional reactions, as two distinct patterns were identified: one pattern fits the acute grief reactions pattern, and another of less-intense emotional reactions. No gender differences were found on emotional reactions. Higher-intensity reactions at disclosure were associated with more psychosymptomatology one-month later only for fathers. Conclusion: Findings suggest the need for healthcare professionals to adjust their practice to meet parental needs in the early post-diagnosis stage. Both parents should be given the opportunity to express their emotions as a couple and individually.

17. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Gameiro, Sofia; Canavarro, Maria C; Dattilio, Frank M. 2011. "Amniocentesis due to advanced maternal age: The role of marital intimacy in couples’ decision-making process", Contemporary Family Therapy 33, 2: 128 - 142.
Due to the risk of fetal anomaly, pregnant women of advanced maternal age are given the option to undergo amniocentesis. In our study we aimed to describe couples’ decision-making process regarding amniocentesis, and assess whether it is influenced by marital intimacy and men’s participation in genetic counseling. During pregnancy, 112 couples answered the Personal Assessment of Intimacy in Relationships questionnaire and scales regarding the decision to undergo amniocentesis. Most couples shared and reached an agreement regarding this decision. Higher levels of marital engagement and communication, but not men’s participation, were associated with higher agreement, influence, and decision-sharing. Clinical implications are discussed.

18. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2011. "Parental psychological distress and quality of life after a prenatal or postnatal diagnosis of congenital anomaly: A controlled comparison study with parents of healthy infants", Disability and Health Journal 5, 2: 67 - 74.
Background Parental early adjustment to a prenatal or postnatal diagnosis of congenital anomaly has been studied mainly within a pathological and deterministic perspective, giving us an inadequate view of the impact of the diagnosis. Objectives Adopting a comprehensive approach on parental adjustment, we aimed to characterise the impact of the diagnosis on psychological distress and quality of life, in the early postdiagnosis stage. The effects of gender and the timing of the diagnosis were also examined. Methods In this cross-sectional study, 42 couples with healthy infants and 42 couples whose infants were prenatal or postnatally diagnosed with a congenital anomaly responded to the Brief Symptom Inventory-18 and to the World Health Organization Quality of Life Brief instrument. Results In the early postdiagnosis stage, parents whose infants were diagnosed with a congenital anomaly presented higher levels of psychological distress than did the parents of healthy infants (F2,79= 6.23, p = .003), although they displayed similar levels of quality of life (F4,78= 0.62, p = .647). Mothers reported more adjustment difficulties than fathers in both groups. Receiving the diagnosis in the prenatal period was associated with higher maternal psychological quality of life (Z = 2.00, p = .045). Conclusion The occurrence of a diagnosis of congenital anomaly during the transition to parenthood adds to an accumulation of stress-inducing events and manifests itself in psychopathological symptoms. Maintaining a positive evaluation of well-being may be understood as a parental resource to deal with the diagnosis. The importance of adopting a comprehensive perspective on parental adjustment is highlighted.

19. Albuquerque, Sara; Fonseca, Ana; Pereira, Marco; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2011. "Estudos psicométricos da versão portuguesa da Escala de Impacto Familiar (EIF)", Laboratório de Psicologia 9, 2: 173 - 187.
O diagnóstico de deficiência num filho pode implicar mudanças na dinâmica e no funcionamento da família, com exigências adicionais ao nível da prestação de cuidados. De forma a avaliar os efeitos da condição da criança nos pais, enquanto prestadores de cuidados, foi desenvolvida a Escala de Impacto Familiar (EIF) – Impact on Family Scale (Stein & Riessman, 1980). O objectivo do presente estudo é apresentar as características psicométricas da EIF. A versão portuguesa da escala foi administrada a uma amostra de 144 pais e mães, cujo filho recebeu um diagnóstico de deficiência, utentes da Maternidade Doutor Daniel de Matos (Hospitais da Universidade de Coimbra) e de associações que prestam apoio a pais de crianças com deficiência. Para além da EIF, o protocolo de avaliação incluiu o instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde (WHOQOL-Bref; The WHOQOL Group, 1998), o Índice de Stress Parental (Abidin, 1990) e a subescala de Contribuições Positivas do Kansas Inventory of Parental Perceptions (Behr, Murphy, & Summers, 1992). A EIF apresentou boa consistência interna (alfa de Cronbach=.91) e estabilidade temporal (r=.80, p<.001), bem como resultados aceitáveis ao nível da validade de construto [¿2(90)=185.45, p<.001; CFI=.91; RMSEA=.08] e das validades convergente e discriminante. A EIF apresenta-se como uma escala particularmente útil para avaliar o impacto familiar da deficiência de um filho e as suas características psicométricas validam a sua utilização na população portuguesa. Palavras-chave: Deficiência, Escala de Impacto Familiar, Estudos psicométricos, Pais.

20. Nazaré, Bárbara; Moreira, Helena; Canavarro, Maria C. 2010. "Uma perspectiva cognitivo-comportamental sobre o investimento esquemático na aparência: Estudos psicométricos do Inventário de Esquemas sobre a Aparência (ASI-R)", Laboratório de Psicologia 8, 1: 21 - 36.
A definição de imagem corporal proposta por Cash (2002b) salienta a multidimensionalidade do conceito, englobando elementos perceptivos e atitudinais. A dimensão atitudinal inclui a avaliação e satisfação com o corpo, assim como as crenças que os indivíduos têm relativamente à aparência. Esta componente cognitiva relaciona-se com o investimento que as pessoas fazem na aparência, ou seja, com a importância cognitiva, comportamental e emocional que atribuem à imagem corporal. No presente trabalho, foram efectuados os estudos psicométricos do Inventário de Esquemas sobre a Aparência – Revisto – The Appearance Schemas Inventory – Revised [ASI-R] (Cash, Melnyk, & Hrabosky, 2004), que pretende avaliar as duas facetas do investimento esquemático na aparência: saliência auto-avaliativa e saliência motivacional. Uma amostra de 226 adultos respondeu à versão portuguesa da escala, tendo sido realizada uma análise factorial confirmatória cujos índices de ajustamento apoiam a estrutura original do questionário. Os restantes índices de fidelidade e validade também se revelaram adequados, indicando que a versão portuguesa permite avaliar eficazmente as crenças pessoais sobre a aparência. Verificaram-se diferenças de género significativas em ambas as facetas, bem como na pontuação global do questionário, tendo o sexo feminino apresentado valores superiores em todas as dimensões.


Trabalhos completos/resumidos em eventos com arbitragem científica
Papers in conference proceedings with scientific refereeing
1. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2013. "Ambivalência em relação à utilização de amniocentese: Que efeitos tem no processo de tomada de decisão do casal? ", Trabalho apresentado em VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia , In Livro de atas do VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia , Aveiro.
Objetivo: Avaliar a influência da ambivalência em relação à utilização de amniocentese no processo de tomada de decisão do casal. Metodologia: Cento e vinte e um casais preencheram uma ficha de dados sobre este processo de tomada de decisão (e.g., importância das vantagens e desvantagens da utilização de amniocentese), após a sua conclusão. Resultados: Não houve diferenças de género na ambivalência. Os utilizadores de amniocentese manifestaram menos ambivalência do que os não-utilizadores. Para as mulheres, a ambivalência foi um preditor negativo da confiança e da concordância do casal na decisão tomada; a ambivalência do parceiro foi um preditor negativo da confiança e da concordância do casal na decisão tomada e da avaliação do tempo para decidir como suficiente. Para os homens, a ambivalência da parceira foi um preditor negativo da confiança. Discussão: A ambivalência do casal pode tornar o processo de tomada de decisão mais exigente, pelo que o casal deve ser apoiado nesta etapa.

2. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2013. "O tempo cura tudo? Adaptação à experiência de interrupção médica da gravidez por anomalia fetal durante o primeiro ano", Trabalho apresentado em VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia , In Livro de atas do VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia , Aveiro.
Objetivo: Avaliar a prevalência de reações clinicamente significativas de luto e de trauma, no primeiro (M1) e no segundo semestre (M2) após uma interrupção médica da gravidez (IMG) por anomalia fetal. Metodologia: Vinte e três casais responderam à Escala de Luto Perinatal e à Escala de Impacto de um Evento – Revista. Resultados: A maioria da amostra mostrou adaptação em ambas as avaliações. A prevalência de luto foi igual no M1 e M2: 21.7% (mulheres) e 0.0% (homens). A prevalência de trauma no M1 foi de 17.4% (mulheres) e 22.7% (homens), descendo para 14.3% (mulheres) e 9.5% (homens) no M2. Em 13.0% (M1) e 14.3% (M2) das mulheres verificaram-se reações clinicamente significativas de luto e de trauma. Em 4.5% (M1) e 4.8% (M2) dos casais, ambos os membros manifestaram reações clinicamente significativas de trauma. Discussão: Após a IMG, a avaliação psicológica é necessária, atendendo à prevalência de reações clinicamente significativas de luto e de trauma, em particular nas mulheres. .

3. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2011. "Avaliação da confiança parental: Versão portuguesa do Maternal Confidence Questionnaire", Trabalho apresentado em VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, In Actas do VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, Lisboa.
Dificuldades na interacção entre a mãe e o bebé podem comprometer o desenvolvimento deste e reflectir-se negativamente na adaptação materna. O Postpartum Bonding Questionnaire foi desenvolvido com o objectivo de despistar perturbações na relação entre a mãe e o bebé. Trata-se de um questionário composto por 25 itens, que englobam respostas emocionais e cognitivas da mãe para com o seu filho, cuja frequência se pretende avaliar. Foi nosso objectivo adaptar este instrumento de auto-resposta para a população portuguesa. Uma amostra comunitária composta por 125 mães e 125 pais de bebés com 6 meses respondeu ao Postpartum Bonding Questionnaire, ao Questionário de Confiança Parental, ao Inventário de Stress Parental – Forma Reduzida e ao Brief Symptom Inventory 18. A versão portuguesa do Postpartum Bonding Questionnaire (designada Questionário de Ligação ao Bebé Após o Nascimento) apresenta uma boa consistência interna (alfa de Cronbach = .84). Foi realizada uma análise de componentes principais com rotação varimax, da qual resultaram quatro factores que explicam 48.11% da variância (Distanciamento emocional em relação ao bebé, Frustração na interacção com o bebé, Rejeição do bebé e Agressividade contra o bebé). A escala revelou ter uma boa validade de constructo, convergente e discriminante. A identificação precoce de famílias em risco permite uma intervenção adequada e atempada por parte dos profissionais de saúde. O Questionário de Ligação ao Bebé após o Nascimento constitui um instrumento útil na avaliação de mães e pais de bebés nos primeiros meses de vida, possibilitando a sinalização de situações de risco ao nível destas díades.

4. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2011. "Postpartum Bonding Questionnaire: Estudo da versão portuguesa numa amostra comunitária", Trabalho apresentado em VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, In Actas do VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, Lisboa.
Dificuldades na interacção entre a mãe e o bebé podem comprometer o desenvolvimento deste e reflectir-se negativamente na adaptação materna. O Postpartum Bonding Questionnaire foi desenvolvido com o objectivo de despistar perturbações na relação entre a mãe e o bebé. Trata-se de um questionário composto por 25 itens, que englobam respostas emocionais e cognitivas da mãe para com o seu filho, cuja frequência se pretende avaliar. Foi nosso objectivo adaptar este instrumento de auto-resposta para a população portuguesa. Uma amostra comunitária composta por 125 mães e 125 pais de bebés com 6 meses respondeu ao Postpartum Bonding Questionnaire, ao Questionário de Confiança Parental, ao Inventário de Stress Parental – Forma Reduzida e ao Brief Symptom Inventory 18. A versão portuguesa do Postpartum Bonding Questionnaire (designada Questionário de Ligação ao Bebé Após o Nascimento) apresenta uma boa consistência interna (alfa de Cronbach = .84). Foi realizada uma análise de componentes principais com rotação varimax, da qual resultaram quatro factores que explicam 48.11% da variância (Distanciamento emocional em relação ao bebé, Frustração na interacção com o bebé, Rejeição do bebé e Agressividade contra o bebé). A escala revelou ter uma boa validade de constructo, convergente e discriminante. A identificação precoce de famílias em risco permite uma intervenção adequada e atempada por parte dos profissionais de saúde. O Questionário de Ligação ao Bebé após o Nascimento constitui um instrumento útil na avaliação de mães e pais de bebés nos primeiros meses de vida, possibilitando a sinalização de situações de risco ao nível destas díades.

5. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2011. "Gravidez subsequente a uma interrupção médica: Especificidades de género na relação entre luto perinatal, psicossintomatologia e qualidade de vida", Trabalho apresentado em V Congresso Saúde e Qualidade de Vida, In Saúde e qualidade de vida: Uma meta a atingir, Porto.
Uma gravidez subsequente a uma perda gestacional é influenciada pela experiência prévia, resultando em sintomas ansiosos e depressivos mais intensos, em comparação com os casais sem história de perda. Embora a nova gravidez possa contribuir para a diminuição das manifestações de luto pela perda anterior, este processo não termina com a ocorrência de uma gestação subsequente, podendo comprometer a adaptação dos casais. Neste contexto, as mulheres tendem a manifestar sintomas mais intensos, presumivelmente devido à maior ligação que tinham estabelecido com o bebé que perderam. No presente trabalho, o objectivo consistiu em estudar a associação entre luto perinatal, psicossintomatologia (depressão e ansiedade) e qualidade de vida (geral e nos domínios físico, psicológico e relações sociais) durante uma gravidez subsequente a uma interrupção médica, considerando separadamente a vivência de homens e mulheres. A amostra foi composta por 36 participantes (19 mulheres e 17 homens), avaliados aproximadamente às 19 semanas de gestação. Embora se tenham verificado associações significativas entre luto perinatal e qualidade de vida para ambos os géneros, foram identificadas especificidades relevantes. A associação entre luto perinatal e psicossintomatologia só se revelou significativa para as mulheres. Estes dados sustentam a importância da intervenção psicológica ao longo de uma gravidez após uma perda, de forma a promover a adaptação do casal e, simultaneamente, o bem-estar do bebé. É também clinicamente relevante atender às diferenças de género identificadas nesta vivência.

6. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2011. "Diagnóstico de anomalia congénita do bebé no período perinatal: O papel da percepção parental acerca do diagnóstico na qualidade de vida", Trabalho apresentado em V Congresso Saúde e Qualidade de Vida, In Saúde e qualidade de vida: Uma meta a atingir, Porto.
Introdução: A notícia de um diagnóstico de anomalia congénita no bebé no período perinatal tem impacto na adaptação parental. O momento da notícia tem sido documentado como particularmente significativo para os pais e com possível influência na forma como lidam com o diagnóstico. Este trabalho pretende: 1) caracterizar a qualidade de vida (QdV) dos pais que experienciam um diagnóstico de anomalia congénita no bebé, comparando- a com um grupo de referência constituído por pais de bebés saudáveis; 2) avaliar o papel da percepção parental acerca da comunicação do diagnóstico e acerca do diagnóstico na adaptação parental. Método: Os participantes do grupo clínico (n = 53) e do grupo de referência (n = 57) preencheram uma ficha de informação sociodemográfica e o WHOQOL-Bref para avaliar a QdV. Os participantes do grupo clínico responderam ainda a questões sobre a percepção acerca do diagnóstico. Resultados e conclusões: Os resultados evidenciam o impacto significativo da notícia do diagnóstico na QdV parental: a percepção acerca da comunicação do diagnóstico e das implicações do diagnóstico para o futuro do bebé influenciam a QdV parental. Estes resultados alertam-nos para aspectos a ter em conta pelos profissionais de saúde, nomeadamente no que respeita à comunicação da notícia do diagnóstico.

7. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. 2011. "Adaptação da Escala de Representação Mental de Prestação de Cuidados para a população portuguesa", Trabalho apresentado em VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, In Actas do VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, Lisboa.

Trabalhos completos/resumidos em eventos sem arbitragem científica
Papers in conference proceedings without scientific refereeing
1. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. 2013. "Stressores diádicos associados ao risco de anomalia fetal: Com que exigências se confrontam os casais durante a gravidez?", Trabalho apresentado em II Congresso Iberoamericano/III Congresso Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde, In Atas do II Congresso Iberoamericano/III Congresso Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde, Faro.
Os stressores diádicos constituem acontecimentos que podem ameaçar o bem-estar e/ou a identidade da pessoa, envolvendo os dois membros do casal e fomentando em ambos o recurso a estratégias de coping. Utilizamos a designação ‘stressores associados ao risco de anomalia fetal’ para identificar os acontecimentos relacionados com a possibilidade de existência de anomalia fetal com que o casal poderá confrontar-se na gravidez e que, pelas suas caraterísticas, constituem stressores. Englobamos aqui a inclusão num grupo com risco acrescido de anomalia fetal (frequentemente inesperada e difícil de compreender), o processo de tomada de decisão sobre a utilização de exames invasivos de diagnóstico pré-natal (marcado por ambivalência e exigindo o processamento de informação complexa num curto período de tempo) e a realização de exames invasivos de diagnóstico pré-natal (que comportam uma ameaça ao corpo da mulher e do bebé). Identificamos as exigências associadas aos stressores, devido às quais podem desencadear stress e ansiedade, influenciando a vivência da gravidez. O impacto destes stressores é acrescido visto ocorrerem num curto período de tempo e poderem sobrepor-se. Os profissionais de saúde que acompanham os casais durante a gravidez devem reconhecer as exigências colocadas por estes stressores e prestar o apoio necessário.

Outra produção científica
Other scientific production
1. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. 2010. "Avaliação e intervenção psicológica na perda gestacional", 10 pp.. Oliveira do Bairro: Peritia - Revista Portuguesa de Psicologia.
Resumo: A perda gestacional constitui um acontecimento potencialmente traumático, devido ao seu carácter normalmente inesperado e imprevisível. Ao processo de luto subsequente a este evento estão subjacentes algumas tarefas (nomeadamente, a aceitação da morte e a expressão emocional da dor que lhe está associada), existindo um conjunto variado de manifestações emocionais, cognitivas, comportamentais e fisiológicas que constituem reacções esperadas face às circunstâncias. Embora apenas uma minoria dos casais que se confronta com uma perda gestacional desenvolva psicossintomatologia clinicamente significativa, os profissionais de saúde mental podem ter um papel relevante na promoção da aceitação da perda e da expressão emocional, bem como na integração deste acontecimento. O presente trabalho debruça-se sobre as especificidades da vivência do luto perante uma situação de perda gestacional, salientando os diversos parâmetros que devem ser alvo de avaliação clínica cuidada e propondo estratégias terapêuticas específicas para cada um dos principais objectivos da intervenção clínica.




Apresentação oral de trabalho
Oral work presentation
1. Mourão, Ana F; Oliveira, Catarina S; Nazaré, Bárbara. Reações de luto e trauma nos homens após uma morte fetal ou neonatal: Perceção feminina,Jornadas de Psicologia Clínica do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa,Lisboa,2017 (Poster).
2. Gomes, Susana L; Nazaré, Bárbara. Atitudes dos estudantes universitários sobre a violência nas relações de namoro,Jornadas de Psicologia Clínica e da Saúde: “Contextos de investigação e de intervenção”,Lisboa,2017 (Poster).
3. Gomes, Susana L; Nazaré, Bárbara. Violência no namoro entre estudantes universitários: Frequência dos comportamentos de perpetração e vitimação,1.as Jornadas da Unidade de Psicologia Clínica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra,Coimbra,2017 (Poster).
4. Mourão, Ana F; Oliveira, Catarina S; Nazaré, Bárbara. Reações de luto e trauma nos homens após uma morte fetal ou neonatal: Perceção masculina,Jornadas de Psicologia Clínica e da Saúde: “Contextos de investigação e de intervenção”,Lisboa,2017 (Poster).
5. Mourão, Ana F; Oliveira, Catarina S; Nazaré, Bárbara. Comunicação do casal acerca de uma morte fetal ou neonatal: Perceção feminina,1.as Jornadas da Unidade de Psicologia Clínica do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra,Coimbra,2017 (Poster).
6. Alves, Stephanie; Lopes, Tânia; Nazaré, Bárbara; Pereira, Marco; Canavarro, Maria C. Vinculação pré-natal, adaptação individual e preocupações parentais numa gravidez subsequente a uma perda gestacional,III Congresso Internacional do CINEICC/III Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Terapia do Comportamento,Coimbra,2015 (Poster).
7. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. A vivência da parentalidade nos primeiros meses após o nascimento do bebé: Avaliação da confiança parental e das perturbações na relação através de questionários de autorresposta,III Congresso Internacional do CINEICC/III Congresso Nacional da Associação Portuguesa de Terapia do Comportamento,Coimbra,2015 (Comunicação).
8. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Quanto mais, melhor? O papel da informação na qualidade de vida dos pais de bebés com anomalia congénita,1st International Congress of Mental Health Literacy,Coimbra,2014 (Comunicação).
9. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Quão prejudicial é a falta de informação? As atribuições internas acerca da anomalia fetal como obstáculo ao processo de luto após uma interrupção médica da gravidez,1st International Congress of Mental Health Literacy,Coimbra,2014 (Comunicação).
Introdução Um diagnóstico de anomalia fetal carateriza-se, frequentemente, pela escassez de informação clínica relativamente à sua etiologia. A inexistência de informação pode potenciar a atribuição da anomalia fetal a fatores individuais (e.g., comportamento, personalidade). Nos casais que optam pela interrupção médica da gravidez (IMG), os sentimentos de culpa são frequentes em ambos os géneros e podem constituir um obstáculo ao processo de luto, acentuando a sintomatologia desadaptativa. Que saibamos, o papel das atribuições internas neste contexto ainda não foi explorado. Objetivos Este estudo pretendeu avaliar a frequência com que as pessoas que experienciam uma IMG fazem atribuições internas acerca da anomalia fetal, comparando mulheres e homens. Adicionalmente, quisemos avaliar o impacto das atribuições internas no recurso à autoculpabilização, enquanto estratégia de coping para lidar com a IMG, e na sintomatologia de luto. Neste âmbito, pretendemos também verificar se a autoculpabilização explica a influência das atribuições internas na sintomatologia de luto. Metodologia Cerca de dois meses após a ocorrência de uma IMG por anomalia fetal, quarenta casais responderam a uma ficha de dados sociodemográficos e clínicos (incluindo o grau de atribuição da anomalia fetal ao próprio comportamento e/ou personalidade, de 0 Nada a 100 Extremamente) e a dois questionários de autorresposta: a Escala de Luto Perinatal (para avaliar a intensidade da sintomatologia de luto após uma perda no período perinatal) e o Brief COPE (para avaliar a frequência de uso de diversas estratégias de coping, como a autoculpabilização, perante um dado stressor). Resultados Cerca de 25% das mulheres e 18% dos homens atribuíram, pelo menos parcialmente, o diagnóstico de anomalia fetal ao seu próprio comportamento e/ou personalidade, não existindo diferenças de género na extensão destas atribuições (t34 = 0,71, p = 0,484, r = 0,12). Para as mulheres, as atribuições internas influen.
10. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Albuquerque, Sara; Pereira, Marco; Canavarro, Maria C. Estudos psicométricos da versão portuguesa da Escala de Contribuições Positivas numa amostra de pais de crianças com anomalia congénita,VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia,Universidade de Aveiro,2013 (Poster).
11. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Stressores diádicos relacionados com a presença de anomalia fetal: Que desafios representam para os casais? ,II Congresso Iberoamericano de Psicologia da Saúde/III Congresso Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde,Faro,2013 (Poster).
12. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Ambivalência em relação à utilização de amniocentese: Que efeitos tem no processo de tomada de decisão do casal?,VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia,Aveiro,2013 (Comunicação).
13. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Stressores diádicos relacionados com o risco de anomalia fetal: Com que exigências se confrontam os casais durante a gravidez? ,II Congresso Iberoamericano de Psicologia da Saúde/III Congresso Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde,Faro,2013 (Poster).
14. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Casais congruentes e incongruentes nas reações de luto após IMG: Que diferenças? ,II Congresso “O Luto em Portugal”,Lisboa,2013 (Comunicação).
Introdução: O luto incongruente (mulheres com reações de luto mais intensas que os homens após uma perda gestacional) pode gerar dificuldades conjugais. Importa, portanto, caraterizar os casais congruentes e incongruentes e identificar fatores que possam explicar esta diferença. Objetivos: Este estudo pretendeu: 1) classificar os casais de acordo com a congruência (grupo congruente e grupo incongruente) das reações de luto dos dois membros; 2) comparar as reações de luto atendendo ao género e ao grupo; e 3) comparar os grupos em variáveis demográficas, reprodutivas e relacionadas com o processo de tomada de decisão sobre a IMG. Metodologia: Quarenta casais responderam, no primeiro semestre após uma IMG, a uma ficha de dados sociodemográficos e clínicos e à Escala de Luto Perinatal (subescalas: Luto Ativo, Dificuldades de Coping, Desespero). Resultados/Conclusões: A maioria dos casais apresentou reações de luto congruentes. Nos casais incongruentes, verificaram-se diferenças de género nas três subescalas; nos casais congruentes, não houve diferenças na subescala Desespero. Não houve diferenças entre os homens de acordo com o grupo; as mulheres de casais incongruentes apresentaram pontuações significativamente superiores às mulheres de casais congruentes nas três subescalas. Entre os grupos, não houve diferenças nas variáveis demográficas ou reprodutivas. As mulheres de casais incongruentes percecionaram o tempo que tiveram para a tomada de decisão como menos suficiente, manifestaram menos certeza de que voltariam a tomar a mesma decisão no momento presente e referiram sentimentos de arrependimento mais frequentes. Os resultados sublinham a importância de apoiar os casais durante o processo de tomada de decisão. .
15. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Luto incongruente após interrupção médica da gravidez por anomalia fetal: Quão duradouro? ,II Congresso “O Luto em Portugal”,Lisboa,2013 (Comunicação).
Introdução: A expressão luto incongruente designa as diferenças de género consistentemente verificadas após uma perda gestacional – as mulheres tendem a demonstrar sintomatologia de luto significativamente mais intensa e duradoura do que os homens. Estas diferenças são atribuídas à experiência física da gravidez e da perda das mulheres e às normas sociais, que impelem os homens a não expressar o seu sofrimento. Objetivo: O nosso estudo pretendeu comparar a discrepância intracasal na sintomatologia de luto (i.e., a diferença absoluta entre a pontuação de cada um dos membros do casal), no primeiro (M1) e no segundo semestre (M2) após uma interrupção médica da gravidez por anomalia fetal (IMG). Metodologia: Vinte casais responderam, em dois momentos, à Escala de Luto Perinatal (ELP; subescalas: Luto Ativo, Dificuldades de Coping, Desespero). Resultados/Conclusões: A discrepância nos três fatores da ELP não se alterou entre M1 e M2. Em ambos os momentos, a maior discrepância intracasal verificou-se no Luto Ativo. Entre M1 e M2, não houve diferenças significativas nas pontuações das mulheres nos três fatores. Para os homens, as pontuações diminuíram significativamente nas subescalas Luto Ativo e Dificuldades de Coping. Estes resultados mostram que, à semelhança do que se verifica nas perdas gestacionais espontâneas, as mulheres têm tendência para manifestar sintomatologia de luto mais intensa e duradoura do que os homens após uma IMG. A discrepância intracasal pode originar dificuldades conjugais, sendo necessário preparar os casais para estas diferenças e fomentar a aceitação das diferenças na reação à perda. .
16. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Trajetória resiliente dos pais após um diagnóstico pré- ou pós-natal de anomalia congénita: O papel da vinculação enquanto recurso interno,VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia,Aveiro,2013 (Comunicação).
17. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. O tempo cura tudo? Adaptação à experiência de interrupção médica da gravidez por anomalia fetal durante o primeiro ano,VIII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia,Aveiro,2013 (Comunicação).
18. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Sintomatologia clinicamente significativa após uma interrupção médica da gravidez: Quem manifesta reações intensas de trauma e luto? ,9º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde,Aveiro,2012 (Comunicação).
A experiência de interrupção médica da gravidez (IMG) devida a anomalia fetal é um acontecimento potencialmente traumático, cujo impacto se pode manifestar mesmo após decorridos anos sobre a perda. O presente estudo teve como objetivos avaliar a prevalência de sintomatologia traumática e de luto com significância clínica no primeiro trimestre após a ocorrência da IMG, bem como identificar características individuais e clínicas associadas a essa prevalência. Uma amostra de 47 participantes com história de IMG (ocorrida em média há 2.23 meses, aproximadamente às 21.52 semanas de gravidez) preencheu os seguintes questionários: Escala de Impacto de um Evento – Revista e Escala de Luto Perinatal. Foram também recolhidos dados sociodemográficos e clínicos. Relativamente à sintomatologia traumática, 33.3% (n = 15) da amostra apresentou manifestações clinicamente significativas, sem que se verificassem diferenças de género. No caso da sintomatologia de luto, a sua intensidade assumiu relevância clínica para 19.5% (n = 8) da amostra, verificando-se uma percentagem significativamente (¿2 = 5.27, p = .026) superior de mulheres neste grupo. A (in)existência de filhos antes da perda e a idade gestacional (anterior ou posterior às 20 semanas) aquando da IMG não se mostraram associadas a manifestações clínicas de trauma ou luto. 12.2% (n = 5) da amostra apresentou simultaneamente valores clinicamente significativos de trauma e luto. Atendendo à percentagem considerável de participantes a demonstrar sintomas com relevância clínica, é essencial que os casais (e, em particular, as mulheres) que vivenciam este acontecimento sejam avaliados e, quando necessário, acompanhados por profissionais da área da saúde mental.
19. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Determinantes das reações emocionais à notícia do diagnóstico de anomalia congénita do bebé: Que papel para as variáveis clínicas e para as perceções acerca do diagnóstico? ,9º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde,Aveiro,2012 (Comunicação).
20. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Um estudo longitudinal sobre a adaptação parental ao diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Continuidade ou mudança?,9º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde,Aveiro,2012 (Comunicação).
21. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Reflexões acerca da comunicação de uma perda em contextos de saúde: O exemplo da comunicação de um diagnóstico de anomalia congénita no bebé,Congresso “O Luto em Portugal”,Aveiro,2012 (Comunicação).
22. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Especificidades do processo de luto na interrupção médica da gravidez devida a anomalia fetal: Implicações para a intervenção psicológica,Congresso “O Luto em Portugal”,Aveiro,2012 (Poster).
A interrupção médica da gravidez é um acontecimento difícil para os casais que com ele se deparam, pois o diagnóstico de anomalia fetal é, na maioria das vezes, inesperado e surge no contexto de uma gravidez desejada. A notícia de que o bebé é portador de uma anomalia congénita ou doença leva a uma reação inicial de luto, já que a expetativa do casal relativamente ao seu bebé, imaginado como saudável e perfeito, é contrariada pelos dados médicos. Nesta etapa, é importante fazer uma triagem a todos os casais, de modo a identificar a presença de fatores de risco ou vulnerabilidades e a necessidade de acompanhamento psicológico. Paralelamente, a psicoeducação é útil para normalizar a experiência emocional do casal. O facto de o casal ser confrontado com uma decisão relativamente à vida ou morte do bebé pode constituir uma sobrecarga adicional e gerar sentimentos intensos de ambivalência. Este papel ativo do casal na determinação do curso da gravidez pode ser inconsistente com os valores individuais, originando sentimentos de culpa ou arrependimento. Com o objetivo de prevenir o surgimento deste tipo de emoções, o papel dos psicólogos nesta fase passa por promover um processo de tomada de decisão ponderado e informado. O receio de que a opção de interromper a gravidez não seja compreendida por terceiros pode levar o casal a optar por não revelar à sua rede social a causa da morte do bebé. Esta decisão pode intensificar o seu isolamento e privá-lo de apoio social, o que acentua a importância de disponibilizar intervenção psicológica às pessoas que lidam com este evento, envolvendo ambos os membros do casal. Após a perda, a necessidade de intervenção psicológica deve ser reavaliada. Nesta fase, os objetivos são acompanhar o processo de luto do casal, informando-o das reações emocionais mais frequentes na sequência deste evento, promovendo a expressão emocional e a integração da perda e fomentando a adoção de estratégias de coping adaptativas para lidar com a perda. .
23. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Interrupção médica da gravidez por anomalia fetal: O que é normativo na experiência dos casais? ,9º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde,Aveiro,2012 (Comunicação).
24. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Pode a experiência de parentalidade atenuar o impacto traumático da interrupção médica da gravidez e o processo de luto subsequente?,1º Congresso Internacional de Parentalidade ,Porto,2012 (Comunicação).
25. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. (In)congruência intracasal na experiência de uma gravidez após uma interrupção médica devida a anomalia fetal,9º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde,Aveiro,2012 (Comunicação).
26. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Postpartum Bonding Questionnaire: Estudo da versão portuguesa numa amostra comunitária,VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos,Lisboa,2011 (Comunicação).
27. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. When couples experience a termination of pregnancy for fetal anomaly: Similarities and differences according to gender,31st Annual Conference of the Society for Infant and Reproductive Psychology,Nottingham,2011 (Comunicação).
28. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Beyond medical risk: Individual perceptions as predictors of amniocentesis uptake in couples sharing the decision,25th European Health Psychology Conference,Hersonissos,2011 (Poster).
29. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Gravidez subsequente a uma interrupção médica: Especificidades de género na relação entre luto perinatal, psicossintomatologia e qualidade de vida,V Congresso Saúde e Qualidade de Vida,Porto,2011 (Comunicação).
30. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Diagnóstico de anomalia congénita do bebé no período perinatal: O papel da percepção parental acerca do diagnóstico na qualidade de vida,V Congresso Saúde e Qualidade de Vida,Porto,2011 (Comunicação).
31. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. The role of causal attributions on parental adjustment to the pre- or postnatal diagnosis of congenital abnormality in the baby,31st Annual Conference of the Society for Infant and Reproductive Psychology,Nottingham,2011 (Comunicação).
32. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Does history of termination of pregnancy for fetal anomaly influence couple’s adaptation to a subsequent pregnancy? ,31st Annual Conference of the Society for Infant and Reproductive Psychology,Nottingham,2011 (Poster).
33. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Avaliação da confiança parental: Versão portuguesa do Maternal Confidence Questionnaire,VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos,Lisboa,2011 (Comunicação).
34. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Emotional adjustment during the parenthood transition after a prenatal diagnosis of congenital abnormality: An exploratory study,31st Annual Conference of the Society for Infant and Reproductive Psychology,Nottingham,2011 (Poster).
35. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Baby’s diagnosis of congenital anomaly during the perinatal period: Determinants of parental adjustment,25th European Health Psychology Conference,Hersonissos,2011 (Poster).
36. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Diagnosis disclosure of a baby’s congenital anomaly: Parental satisfaction and its role on subsequent adjustment,25th European Health Psychology Conference,Hersonissos,2011 (Comunicação).
37. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Adaptação da Escala de Representação Mental de Prestação de Cuidados para a população portuguesa,VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos,Lisboa,2011 (Comunicação).
38. Albuquerque, Sara; Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Pereira, Marco; Canavarro, Maria C. Adaptação da Escala de Impacto Familiar (Impact on Family Scale) para a população portuguesa: Características psicométricas,VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação Psicológica/XV Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos,Lisboa,2011 (Poster).
39. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Participação masculina na tomada de decisão acerca da amniocentese: A não presença dos homens nas consultas de diagnóstico pré-natal é um fator condicionante? ,Reunião da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal “Centenário da Maternidade Dr. Daniel de Matos”,Coimbra,2011 (Poster).
40. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Poderão as reacções emocionais dos pais à notícia do diagnóstico de anomalia congénita no bebé ajudar os profissionais de saúde a sinalizar dificuldades emocionais futuras?,Reunião da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal “Centenário da Maternidade Dr. Daniel de Matos”,Coimbra,2011 (Poster).
41. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Informação em saúde: O papel da informação na adaptação parental a um diagnóstico pré- ou pós-natal de anomalia congénita no bebé,Reunião da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal “Centenário da Maternidade Dr. Daniel de Matos”,Coimbra,2011 (Poster).
42. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Is the amniocentesis decision different when couples perceive it to be shared with the geneticist?,25th European Health Psychology Conference,Hersonissos,2011 (Poster).
43. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Grief following termination of pregnancy for fetal anomaly: Who is at risk for maladaptive reactions?,25th European Health Psychology Conference,Hersonissos,2011 (Poster).
44. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Tipo e intensidade das preocupações sentidas durante a gravidez: Um estudo com uma amostra de casais com indicação para realizar diagnóstico pré-natal. ,Reunião da Sociedade Portuguesa de Obstetrícia e Medicina Materno-Fetal “Centenário da Maternidade Dr. Daniel de Matos”,Coimbra,2011 (Poster).
45. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. Avaliação e intervenção psicológica na perda perinatal,I Jornadas Peritia – Psicologia e Perda Gestacional,Oliveira do Bairro,2010 (Comunicação).
46. Nazaré, Bárbara; Moreira, Helena; Canavarro, Maria C. A multidimensionalidade da imagem corporal: Adaptação de instrumentos focados nas suas diversas componentes,VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia,Braga,2010 (Comunicação).
47. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. Especificidades da perda perinatal: Implicações para os agentes de intervenção,I Jornadas Peritia – Psicologia e Perda Gestacional,Oliveira do Bairro,2010 (Poster).
48. Pedrosa, Anabela A; Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C; Pereira, Marco; Pires, Raquel. Gravidez e maternidade na adolescência: Percursos (d)e adaptação de jovens da Região Autónoma dos Açores,8º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde: Sexualidade, Género e Saúde,Lisboa,2010 (Comunicação).
49. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. Intervenção em situações de perda: Orientações para a intervenção em situações de perda perinatal e diagnóstico de anomalia congénita do bebé,III Jornadas de Enfermagem de Obstetrícia – Por uma vida melhor,Vila Nova de Famalicão,2010 (Comunicação).
50. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. Promoting adaptation to pregnancy among teenagers: The role of cognitive-behavioral strategies,39th European Association for Behavioural and Cognitive Therapies Annual Congress,Dubrovnik, Croácia,2009 (Comunicação).
51. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Pedrosa, Anabela A; Pires, Raquel; Canavarro, Maria C. Adaptação à gravidez e à maternidade adolescente: Um estudo com uma amostra da Região Autónoma dos Açores,1a Conferência Internacional de Psicologia e Educação: Psicologia e Educação – Práticas, Formação e Investigação,Covilhã,2009 (Comunicação).
52. Carvalho, Paula S; Pedrosa, Anabela A; Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Factores relacionais e gravidez na adolescência: Um estudo na Região Autónoma dos Açores,I Congresso Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde: Experiências e Intervenções,Faro,2009 (Comunicação).
53. Carona, Carlos; Morais, Tiago F; Leitão, Sara; Marques, Daniel; Silva, Neuza; Nazaré, Bárbara; Pereira, Marco; Canavarro, Maria C. Assessing health-related quality of life in children and adolescents with asthma and epilepsy: Results from the pilot validation study of the Portuguese versions of DISABKIDS 37,ISOQOL – International Society for Quality of Life Research 16th Annual Scientific Meeting,New Orleans, EUA,2009 (Comunicação).
54. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Pedrosa, Anabela A; Silva, Sónia; Canavarro, Maria C. Adaptação a uma perda perinatal: Impacto na qualidade de vida,1º Congresso de Saúde e Comportamento dos Países de Língua Portuguesa,Braga,2009 (Comunicação).
55. Fonseca, Ana; Pedrosa, Anabela A; Silva, Sónia; Gameiro, Sofia; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Impacto de uma perda perinatal no ajustamento e no crescimento pós-traumático materno: Um estudo exploratório,1a Conferência Internacional de Psicologia e Educação: Psicologia e Educação – Práticas, Formação e Investigação,Covilhã,2009 (Poster).
56. Carvalho, Paula S; Pedrosa, Anabela A; Pires, Raquel; Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Adaptações psicológicas à gravidez na adolescência: Contextos de influência,1a Conferência Internacional de Psicologia e Educação: Psicologia e Educação – Práticas, Formação e Investigação,Covilhã,2009 (Comunicação).
57. Fonseca, Ana; Nazaré, Bárbara; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. Teenage motherhood in Azores Islands: Improving mothers’ adjustment through the development of psychological intervention guidelines,39th European Association for Behavioural and Cognitive Therapies Annual Congress,Dubrovnik, Croácia,2009 (Comunicação).
58. Pedrosa, Anabela A; Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Carvalho, Paula S; Pires, Raquel; Canavarro, Maria C. Qualidade de vida em grávidas e mães adolescentes: Um estudo numa amostra da Região Autónoma dos Açores,1º Congresso de Saúde e Comportamento dos Países de Língua Portuguesa,Braga,2009 (Comunicação).
59. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. Mães adolescentes e seus bebés: Desafios e implicações para o crescer,II Jornadas de Enfermagem de Obstetrícia – Por uma vida melhor,Vila Nova de Famalicão,2009 (Comunicação).
60. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Pedrosa, Anabela A; Pires, Raquel; Canavarro, Maria C. A vivência da sexualidade adolescente: Um estudo com jovens açorianas com e sem história de gravidez,I Congresso Luso-Brasileiro de Psicologia da Saúde: Experiências e Intervenções,Faro,2009 (Comunicação).
61. Nazaré, Bárbara; Moreira, Helena; Canavarro, Maria C. A cognitive-behavioral perspective on schematic investment in appearance: Psychometric studies of the Portuguese version of The Beliefs About Appearance Questionnaire,38th European Association for Behavioural and Cognitive Therapies Annual Congress,Helsínquia, Finlândia,2008 (Poster).
62. Carvalho, Paula S; Canavarro, Maria C; Nazaré, Bárbara; Pedrosa, Anabela A. Focus group technique in research practice,III European Congress of Methodology,Oviedo, Espanha,2008 (Poster).
63. Carona, Carlos; Nazaré, Bárbara; Morais, Tiago F; Canavarro, Maria C. O Projecto DISABKIDS em Portugal: Adaptação cultural dos instrumentos DISABKIDS (Questionários de qualidade de vida para crianças e adolescentes com problemas de saúde crónicos),XIII Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos,Braga,2008 (Poster).
64. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Pereira, Ana I; Pedrosa, Anabela A; Canavarro, Maria C. Gravidez na adolescência: Enquadramento de um acontecimento não normativo nos contextos individual, relacional e familiar,Congresso Internacional “Cidades, Saúde e Segurança”,Coimbra,2008 (Poster).
65. Carvalho, Paula S; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C; Pedrosa, Anabela A. Representations about having a child: Constructing instruments for its evaluation,38th European Association for Behavioural and Cognitive Therapies Annual Congress,Helsínquia, Finlândia,2008 (Poster).
66. Carvalho, Paula S; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C; Pedrosa, Anabela A. Gravidez e parentalidade: Dos grupos focais à construção de um instrumento de avaliação das representações sobre "ser pai/mãe",XIII Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos,Braga,2008 (Poster).
67. Moreira, Helena; Silva, Sónia; Paredes, Tiago; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Investment in body image among breast cancer survivors who have undergone mastectomy: Impact on quality of life and psychological adjustment,6th International Congress of Cognitive Psychotherapy,Roma, Itália,2008 (Poster).
68. Pedrosa, Anabela A; Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Ser mãe adolescente,Jornadas do III Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Saúde Materna e Obstetrícia da Escola Superior de Saúde de Viseu: Olhares sobre a Prática Obstétrica em Tempos de Mudança,Viseu,2008 (Comunicação).
69. Nazaré, Bárbara; Moreira, Helena; Canavarro, Maria C. Variabilidade interindividual no investimento esquemático na aparência,III Congresso Nacional de Psiquiatria,Estoril,2007 (Poster).

Curso de curta duração lecionado
Taught short course
1. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Pires, Raquel; Silva, Neuza; Canavarro, Maria C. Comunicar em saúde: Das dificuldades à otimização da comunicação entre profissionais de saúde e doentes/utentes, 2013 (Extensão), promovido por Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
Duração: 12 horas. Local: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Cidade: Coimbra, Tipo de participação: Docente.
2. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Canavarro, Maria C. Comunicar em saúde: Das dificuldades à otimização da comunicação entre profissionais de saúde e doentes/utentes, 2013 (Extensão), promovido por Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
Duração: 12 horas. Local: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, Cidade: Coimbra, Tipo de participação: Organizador.

Desenvolvimento de material didáctico ou pedagógico
Didactic and pedagogic material development
1. Nazaré, Bárbara; Canavarro, Maria C. Manual de apoio ao seminário de investigação “Normas da APA: Regras de estilo, citações, referencias bibliográficas, quadros e figuras”.,2012. 

Organização de evento
Event organization
1. Linha de i. ". D. &. S. Jornadas de Iniciação à Investigação em Psicologia,2010 (Congresso / Outra).





Dados Complementares (Additional data)


Orientações
Orientations


Dissertação de Mestrado
Master degree dissertation
Concluídas
Completed
1. Ana Filipa da Silva Mourão, Impacto de uma morte fetal ou neonatal nos homens e comunicação do casal acerca da perda: Perceção feminina, 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Orientador).
2. Lilian Aparecida dos Santos Oliveira Silva, Estudos psicométricos da versão portuguesa da Escala de Avaliação Parental, 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Orientador).
3. Paula Susana Lima Gomes, Violência em relações de namoro de estudantes universitários: Comportamentos, atitudes e correlatos, 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Orientador).
4. Ângela Maria Cordeiro Cardoso, Estudo psicométrico da versão portuguesa da Multidimensional Health Locus of Control Scale (MHLC) , 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Co-orientador).
5. Bárbara Azevedo Alves, Validação da Fatigue Assessment Scale para a população portuguesa, 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Orientador).
6. Juliana Gonçalves Meira, Transição para a autonomia na gestão dos cuidados de saúde em adolescentes/adultos emergentes saudáveis e com condições crónicas de saúde, 2017. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Orientador).


Participação no júri de Graus Académicos
Academic Degrees jury participation


Mestrado
Master degree
1. Silva, Neuza; Prioste, Ana; Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Ecaterina Balatel. Inventário das Dimensões da Adultez Emergente (IDEA-8): Estudos psicométricos iniciais, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
2. Beato, Ana; Prioste, Ana; Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Thaíse Vasconcellos Costa. Sintomatologia depressiva e ansiosa em adolescentes: Qual o papel dos valores pessoais e do clima familiar?, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
3. Beato, Ana; Nazaré, Bárbara; Américo Baptista. Participação no júri de Ana Filipa da Silva Mourão. Impacto de uma morte fetal ou neonatal nos homens e comunicação do casal acerca da perda: Perceção feminina, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
4. Silva, Neuza; Prioste, Ana; Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Luís Miguel Pereira Pleno. Family Environment Scale (FES): Contributos para o desenvolvimento da versão reduzida da escala para a população portuguesa, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
5. Prioste, Ana; Nazaré, Bárbara; Gonzalez, Barbara. Participação no júri de Ana Catarina Oliveira Santos. Satisfação das necessidades psicológicas básicas, satisfação e fadiga por compaixão e atitudes perante a morte em enfermeiros, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
6. Nazaré, Bárbara; Américo Baptista; Pascoal, Patrícia. Participação no júri de Nanci Dabó. Persistência em praticantes de atividade física regular e não praticantes, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
7. Nazaré, Bárbara; Bárbara Gonzalez; Américo Baptista. Participação no júri de Daniela Alexandra Franco Batista. Autodeterminação, estratégias de coping e aceitação da dor na dor lombar crónica, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
8. Nazaré, Bárbara; Silva, Neuza; Pascoal, Patrícia. Participação no júri de Bárbara Azevedo Alves. Validação da Fatigue Assessment Scale para a população portuguesa, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
9. Nazaré, Bárbara; Pascoal, Patrícia; Prioste, Ana. Participação no júri de Tânia Alexandra Alves da Silva. Satisfação conjugal, satisfação sexual e práticas sexuais das mulheres no pós-parto, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
10. Rosa, Pedro Joel; Nazaré, Bárbara; Américo Baptista. Participação no júri de Lilian Aparecida dos Santos Oliveira Silva. Estudos psicométricos da versão portuguesa da Escala de Avaliação Parental, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
11. Rosa, Pedro Joel; Nazaré, Bárbara; Prioste, Ana. Participação no júri de Ângela Maria Cordeiro Cardoso. Estudo psicométrico da versão portuguesa da Multidimensional Health Locus of Control Scale (MHLC) em jovens adultos saudáveis e com condições crónicas de saúde, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
12. Nazaré, Bárbara; Pascoal, Patrícia; Prioste, Ana. Participação no júri de Francisco José Nunes Mira. Validação do Sexual Self-Disclosure Questionnaire numa amostra portuguesa, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
13. Prioste, Ana; Pires, Raquel; Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Maria Margarida Freire Portas Sampaio Madahil. Satisfação com o apoio social e sintomatologia depressiva em homens e mulheres após o nascimento de um filho, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
14. Nazaré, Bárbara; Pereira, Marco; Pascoal, Patrícia. Participação no júri de Juliana Gonçalves Meira. Transição para a autonomia na gestão dos cuidados de saúde em adolescentes/adultos emergentes saudáveis e com condições crónicas de saúde, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
15. Prioste, Ana; Pires, Raquel; Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Bárbara Ribeiro da Silva. Estratégias de coping, adesão ao tratamento e qualidade de vida em jovens adultos e adultos com condições crónicas de saúde, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
16. Beato, Ana; Nazaré, Bárbara; Prioste, Ana. Participação no júri de Paula Susana Lima Gomes. Violência em relações de namoro de estudantes universitários: Comportamentos, atitudes e correlatos, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
17. Nazaré, Bárbara; Prioste, Ana; Pascoal, Patrícia. Participação no júri de Andreia Margarida de Castro Nobre Duarte. Desenvolvimento identitário e sintomatologia psicológica em adultos emergentes: Qual o papel do clima familiar e do social connectedness?, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
18. Nazaré, Bárbara; Américo Baptista; Pascoal, Patrícia. Participação no júri de Lúcia Gaspar Reis. Bem-estar, felicidade e estatuto de emprego, 2017.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
19. Nazaré, Bárbara; Bárbara Gonzalez; Américo Baptista. Participação no júri de Ana Marta Tibério dos Santos. Perceção das práticas educativas parentais e personalidade, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
20. Nazaré, Bárbara; Miguel Faria; Américo Baptista. Participação no júri de Íris Filomena dos Santos Antunes Pinto. Vinculação, narcisismo e componentes relacionais adultas, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia, Aconselhamento e Psicoterapia) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
21. Camilo, Cristina; Américo Baptista; Nazaré, Bárbara. Participação no júri de João Manuel Pinguinha Sá. Factores psicológicos relacionados com o sucesso em atletas de alta competição, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
22. Nazaré, Bárbara; Rosa, Joana; Camilo, Cristina. Participação no júri de Dulce Maria de Freitas Silva. Ajustamento emocional: A satisfação profissional e a exposição em incidentes críticos na Polícia de Segurança Pública, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
23. Nazaré, Bárbara; Marina Carvalho; Américo Baptista. Participação no júri de Maria Madalena Fernandes Semedo. Depressão, estratégias de coping e resiliência: Estudo transcultural com imigrantes cabo-verdianos e brasileiros, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
24. Nazaré, Bárbara; Miguel Faria. Participação no júri de Carla Patrícia Gonçalves e Sousa. A influência do autoritarismo e do locus de controlo nas atitudes homofóbicas, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
25. Neuza Silva; Américo Baptista; Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Fernando Monteiro Lopes de Sousa. A natureza e a estrutura do contínuo da saúde mental em estudantes universitários, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
26. Nazaré, Bárbara; Cristina Camilo; Américo Baptista. Participação no júri de Filipa Alexandra Simões Palma da Costa Fructuosa. Influência das dimensões de vinculação sobre a regulação emocional e o comportamento alimentar nos jovens adultos, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
27. Nazaré, Bárbara; Marina Carvalho; Américo Baptista. Participação no júri de Alexandre Martha de Aragão Barroso. Desajustamento emocional, inteligência emocional e sua implicação na satisfação com o trabalho, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
28. Nazaré, Bárbara; Miguel Faria; Prioste, Ana. Participação no júri de Diogo Luís Gomes Ricardo. Preditores da procura de sensações sexuais, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
29. Nazaré, Bárbara; José Brites; Américo Baptista. Participação no júri de Paula Cristina Anastácio Santa Bárbara César. A resiliência como fator protetor para a autoestima e o bem-estar subjetivo em idosos institucionalizados , 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
30. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Lima, Luísa. Participação no júri de Sofia da Piedade Rodrigues. Pensamentos automáticos negativos no pós-parto: Da avaliação à sua relação com a adaptação ao papel parental, 2016.  Dissertação (Mestrado Integrado em Psicologia Clínica e Saúde ) - Universidade de Coimbra.
31. Prioste, Ana; Nazaré, Bárbara; Miguel Faria. Participação no júri de Edite de Jesus Bento Vieira Medinas. Influência das provisões sociais e da facilitação trabalho/família no stresse de trabalhadores do Ensino Superior, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia, Aconselhamento e Psicoterapia) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
32. Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Ana Catarina dos Santos Ferreira. Ansiedade, estratégias de coping e qualidade de vida nos familiares de jovens com PEA, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
33. Nazaré, Bárbara. Participação no júri de Susana Maria Faustino Luís. Contribuição para a validação da Escala de Positividade: Emoções positivas e emoções negativas, 2016.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.
34. Nazaré, Bárbara; Fonseca, Ana; Paula Castilho Freitas. Participação no júri de Sheila Denilsa Fernandes Silva. Intenções e comportamentos efetivos de procura de ajuda das mulheres para lidar com dificuldades emocionais: Barreiras e facilitadores no período perinatal, 2015.  Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) - Universidade de Coimbra.


Participação editorial em revistas
Magazine editorial participation
1. Nazaré, Bárbara. Análise Psicológica, de 2016/06/01 até 2017/12/14, Função ou tipo de participação: Reviewer.







Indicadores de produção (Production indicators)

Total
Produção científica
Scientific production
32

Livros e capítulos
Books and book chapters
3
Capítulos de livros publicados
Published book chapters
3
Artigos científicos em revistas
Papers in periodics
20
Com arbitragem científica
With scientific refereeing
20
Trabalhos em eventos
Papers in conference proceedings
8
Com arbitragem científica
With scientific refereeing
7
Sem arbitragem científica
Without scientific refereeing
1
Outros tipos de produção científica
Other scientific production
1

Total
Produção técnica
Technical production
73

Outros tipos de produção técnica
Other technical production
73

Total
Dados complementares
(Additional data)
41

Orientações
Orientations
6
Participação no Júri de Graus Académicos
Academic Degrees jury participation
34
Participação editorial em revistas
Magazine editorial participation
1


Visualizações do curriculum [ 4015 ]
 
Página gerada pela Plataforma de Curricula DeGóis promovida pela FCT e pelo Gávea/DSI/UM em 19-11-2019 às 05:54:51
Plataforma de Curricula DeGóis: http://www.degois.pt | Icons by Axialis Team
Co-Autores Relacionados no DeGóis (11)
 Co-authors listed in Degóis